Melhorias nas soluções de manutenção das lentes e popularização das descartáveis reduziram o número de casos de alergias. Mas uma ainda assusta: a conjuntivite papilar gigante. Saiba como enfrentá-la.

Já se tornou lugar-comum entre os oftalmologistas dizer que o uso de lentes de contato é um processo que começa quando o usuário coloca o artefato pela primeira vez sobre sua córnea e termina quando deixa de usá-lo. Durante todo esse tempo, o usuário precisa de acompanhamento e verificação especializada para detectar possíveis problemas e tratá-los da melhor forma possível.

Um dos problemas mais frequentes ligados ao uso das lentes de contato é a alergia. Os agentes causadores da reação alérgica podem ser as próprias lentes, produtos de limpeza e conservantes, proteínas e resíduos que aderem à lente.

As melhorias nas soluções de manutenção das lentes, principalmente com a eliminação do thimerosal das soluções, bem como a popularização do uso de lentes descartáveis, reduziram significativamente o número de casos de vários tipos de alergias relacionadas ao uso de lentes de contato, fazendo com que um tipo, a conjuntivite papilar gigante, passasse a ter maior importância como motivo das visitas emergenciais ao oftalmologista.

Análises estatísticas em casos como esse são sempre discutíveis, mas a oftalmologista colaboradora do Serviço de Oftalmologia da Unicamp, Denise de Vuono Chinzon, cita que a literatura médica mostra que de 2% a 5% dos usuários de lentes de contato desenvolvem essa alergia em algum grau.

A comercialização inadequada (inclusive pela internet) de lentes – sem cuidado de transmissão das orientações completas sobre a utilização do produto –, o prolongamento do tempo de uso decidido unilateralmente pelo usuário por medida de economia e a disseminação das lentes cosméticas, erroneamente consideradas “não tão sérias” como as receitadas por razões clínicas e, portanto, merecedoras de cuidados menores, são fatores que estão levando ao aumento do número de casos de conjuntivite papilar gigante.

José Vital Monteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *