Estrabismo é um defeito na posição dos olhos. O desvio pode ser constante ou intermitente. Um olho pode estar direcionado para frente (“fixando”) enquanto o outro pode estar virado para dentro, para fora, para cima ou para baixo. Às vezes, o olho desviado pode endireitar e o olho reto pode desviar.

O estrabismo ocorre mais em crianças (em cerca de 4%), mas também pode se manifestar em adultos. Pode ser hereditário (familiar) e ocorre igualmente em pessoas do sexo masculino e feminino.

A visão e o cérebro
Quando a visão binocular é normal (os dois olhos funcionam juntamente) ocorre a focalização do mesmo alvo. A parte visual do cérebro funde as duas imagens em uma única, tridimensional (visão de profundidade).

Quando os olhos desviam, como ocorre no estrabismo, duas imagens diferentes são enviadas ao cérebro. Em crianças, o cérebro aprende a ignorar a imagem do olho desviado e usa somente a imagem de um olho. Isto causa perda da percepção da profundidade e da visão binocular. Adultos que desenvolvem estrabismo frequentemente têm visão dupla, pois o cérebro não consegue ignorar a imagem do olho desviado.

Ambliopia
A posição normal dos olhos durante a infância permite o desenvolvimento de boa visão em cada olho. O estrabismo pode causar visão reduzida ou ambliopia.
O cérebro tende a reconhecer a imagem do olho de melhor visão e ignorar a imagem do olho mais fraco (olho amblíope). Isto ocorre em aproximadamente metade das crianças que têm estrabismo.

A ambliopia pode ser tratada com a oclusão no olho de melhor visão para melhorar a visão do olho mais fraco. Se a ambliopia for detectada nos primeiros anos de vida, o tratamento frequentemente é bem sucedido. Se deixado para mais tarde, a ambliopia geralmente torna-se um problema permanente. Como regra, quanto mais cedo o tratamento, geralmente antes dos 7 anos de vida, melhor será o resultado final.

Causas e sintomas do estrabismo
A causa exata do mau alinhamento dos olhos não é totalmente compreendida.
Seis músculos controlam os movimentos dos olhos, no sentido horizontal, vertical e torsional. Para alinhar e posicionar ambos os olhos num alvo único, todos os músculos devem estar equilibrados e funcionando juntamente com os correspondentes do olho oposto.

O cérebro controla os movimentos oculares razão pela qual as crianças com distúrbios neurológicos como paralisia central, síndrome de Down, hidrocefalia e tumores cerebrais frequentemente têm estrabismo.

Catarata ou outras lesões nos olhos que afetam visão também podem causar desvio ocular.

O sinal principal do estrabismo é o desvio. Às vezes, o paciente fecha um dos olhos na luz solar ou inclina a cabeça. Problemas com a percepção de profundidade também podem ser observados.

Detecção e diagnostico
As crianças devem ser examinadas no primeiro ano de vida e na idade pré-escolar (aos 3 e 5 anos), principalmente se um parente tem estrabismo ou ambliopia (“olho preguiçoso”).

Crianças pequenas geralmente têm a base do nariz alargada e uma dobra de pele na pálpebra superior que encobre o globo quando a criança olha para o lado, aparentando desvio.

Esse aspecto de estrabismo pode melhorar conforme a criança cresce enquanto que o estrabismo verdadeiro não é curado espontaneamente. Somente o oftalmologista pode distinguir o verdadeiro do falso estrabismo. Na dúvida, melhor examinar.

Tratamento
Os objetivos do tratamento do estrabismo são preservar ou recuperar a visão, alinhar os olhos e restaurar a visão binocular. Dependendo da causa do estrabismo, o tratamento pode envolver cirurgia para reposicionar os músculos do olho ou corrigir outras condições que estão fazendo com que o olho desvie. Após completo exame oftalmológico, incluindo exame de grau e do fundo do olho, podem ser recomendados exercícios ortópticos, óculos ou cirurgia. Cobrir o olho bom para melhorar a visão no olho fraco ou diminuir a dominância do olho bom é frequentemente necessário.

Esotropia (estrabismo convergente)
Esotropia significa um olho virado para dentro e é o tipo mais comum de estrabismo em crianças. Bebês com esotropia não usam seus olhos em conjunto e giram a cabeça para conseguir fixar. Na maioria dos casos, a cirurgia precoce é necessária para obter visão binocular e prevenir perda de visão permanente.
Durante a cirurgia, a posição dos músculos dos olhos é ajustada. Por exemplo, na cirurgia para esotropia, os músculos internos são enfraquecidos. Às vezes os músculos externos são encurtados para permitir que os olhos se movam para fora.

Esotropia acomodativa
A esotropia acomodativa é uma forma comum de desvio convergente que ocorre em crianças com hipermetropia, geralmente à partir dos dois anos de idade.
Quando a criança é pequena ela pode focalizar os olhos para ajustar a hipermetropia, mas o esforço da focalização (acomodação) necessário para ver nitidez acaba estimulando os olhos a sofrerem o desvio.

Exotropia (desvio divergente)
A exotropia (olho virado para fora) é um outro tipo comum de estrabismo. Ocorre mais frequentemente quando a criança está focalizando objetos distantes. Normalmente a exotropia ocorre de modo intermitente e se manifesta quando a criança está distraída, doente ou cansada. Os pais geralmente observam que a criança fecha um olho na luz do sol. Óculos, exercícios ortópticos e oclusão podem reduzir ou ajudar a controlar esse desvio. A cirurgia é necessária em muitos casos.

Cirurgia de estrabismo
O globo ocular não é removido da cavidade durante nenhum tipo de cirurgia ocular. A cirurgia de estrabismo consiste em fazer uma pequena incisão na conjuntiva (tecido que cobre a esclera, parte branca do globo), permitindo ao cirurgião acessar os músculos oculares subjacentes. Pode ser necessário realizar a cirurgia em um ou em ambos os olhos.

Em crianças a cirurgia é realizada sob anestesia geral. A anestesia local é uma opção para adultos. O tempo de recuperação é rápido. Geralmente as pessoas são capazes de retomar suas atividades normais dentro de alguns dias. Depois da cirurgia, exercícios, óculos ou prismas podem ser úteis. Hipercorreção ou hipocorreção podem ocorrer e em alguns casos pode ser necessário outro procedimento.

A cirurgia precoce é recomendada para corrigir o estrabismo, pois crianças mais novas podem desenvolver visão binocular com recuperação da visão de profundidade e melhora no campo visual. Quanto mais tempo com o desvio, as chances de recuperar a visão binocular diminuem.

Como em qualquer procedimento, a cirurgia de estrabismo pode ter riscos, como infecção, cicatrização excessiva e outras complicações, todas muito raras. A cirurgia geralmente é um tratamento seguro e eficiente para o mau alinhamento ocular. Entretanto, não é substituto dos óculos ou do uso do tampão.

Tratamento com toxina botulínica
É uma alternativa para a cirurgia em alguns indivíduos. A injeção no músculo enfraquece-o, permitindo que músculo oposto recupere sua função. Apesar dos efeitos do uso da droga terminarem após várias semanas, a correção do desvio é definitiva, principalmente nos casos de paralisias oculares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *