Consultas: 11 3016-9900

11 94640-4662

Atendimento: Segunda a Sexta-Feira, das 8h as 20h e Sábados, das 8h às 14h

Contamos com diversas especialidade cirúrgicas, com profissionais habilitados e com experiência em cada área da oftalmologia. É oferecido ao paciente orientação e acompanhamento do pré ao pós operatório. Algumas cirurgias oferecidas são:


Warning: Parameter 2 to title_filter() expected to be a reference, value given in /home/moacir/public_html/wp-includes/class-wp-hook.php on line 288

A cirurgia de catarata (Facectomia) consiste na remoção do cristalino opaco e substituição por um cristalino artificial novo e transparente, conhecido como lente intraocular.

Na cirurgia, uma pequena sonda ultra-sônica é inserida no olho através de uma micro-incisão de aproximadamente 2mm. A sonda fragmenta e emulsifica o cristalino opaco em pequenos pedaços e delicadamente os aspira para fora do olho. Por meio da mesma incisão, o cirurgião insere e posiciona dentro do olho a lente intraocular escolhida.

Benefícios de uma incisão pequena

Uma incisão pequena, pode fornecer muitas vantagens em relação às técnicas mais antigas, que utilizavam uma incisão maior.

As vantagens de uma incisão pequena incluem:

• cicatrização mais rápida
• recuperação visual mais acelerada
• menos trauma ao olho
• melhor visão
• retorno mais rápido às atividades normais
• maior controle do astigmatismo induzido

Quais são os tipos de lentes intraoculares que podem ser usadas na cirurgia de catarata?

A solução tradicional é o implante de uma lente intraocular monofocal que, como o nome já diz, permite somente um foco, que o paciente junto com o médico decide se é melhor ser o de longe ou de perto. Geralmente opta-se por foco para longe e visão de perto, embora possa-se colocar em um olho o foco para longe e no outro para perto, a chamada monovisão.

Dentre as lentes monofocais, para quem apresenta astigmatismo, existe a opção da lente intraocular tórica.

E para quem deseja fortemente livrar-se do uso de óculos, existe a possibilidade de avaliar se você pode ser candidato ou não do implante de uma lente multifocal, que pode proporcionar boa visão sem óculos para perto, longe e distância intermediária, mas somente para casos selecionados. O seu médico oftalmologista é quem pode lhe oferecer aconselhamento adicional sobre as possibilidades disponíveis para você, com base em seus exames pré-operatórios.

A Cirurgia Refrativa é o nome dado à cirurgia que visa corrigir os erros de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo), através do Excimer Laser, que, modela a curvatura da córnea de acordo com a correção desejada.

As diferentes técnicas cirúrgicas
LASIK: 
No LASIK, o Laser é aplicado nas camadas intermediárias da córnea, sendo a camada superficial preservada na forma de uma película que será recolocada imediatamente após a aplicação. Em geral, coloca-se uma lente de contato terapêutica no pós-operatório que é retirada no dia seguinte da cirurgia.A cirurgia costuma a ser realizada nos dois olhos no mesmo dia, e dura em torno de cinco minutos por olho. O paciente vai para casa imediatamente após o procedimento, usando apenas óculos escuros ou protetores de plástico transparente. É considerada uma técnica cirúrgica com pós-operatório menos doloroso que o PRK, porém necessita de uma espessura maior de córnea do paciente.
PRK:
É uma abreviação de Photo Refractive Keratectomy, onde o Laser é aplicado diretamente sobre a superfície da córnea. Em geral, Coloca-se uma lente de contato terapêutica no pós-operatório que é retirada entre cinco e sete dias após a data cirúrgica. A cirurgia costuma a ser realizada em duas etapas (um olho por vez) priorizando o conforto do pós-operatório, devido ao embaçamento provocado pela cicatrização, tendo uma média de 10 a 15 dias de intervalo de um olho para o outro.

Transplante de Córnea

O Transplante de Córnea é uma cirurgia que consiste em substituir a córnea de um paciente por uma córnea saudável, a fim de melhorar a visão (finalidade óptica) ou corrigir perfurações oculares (transplante tectônico). Os transplantes com finalidade óptica podem ser da córnea toda, ou seja, todas as suas camadas (transplante penetrante) ou apenas uma das camadas (lamelar), dependendo da patologia do paciente.

O transplante de córnea é realizado com anestesia local, sob sedação, sem necessidade de internação hospitalar. A córnea doente é cuidadosamente retirada através de uma incisão circular e em seguida, a córnea saudável é posicionada e fixada através de suturas.

A indicação geralmente é a última alternativa terapêutica, e pode envolver patologias como:

  • Ceratocone avançado;
  • Alguns tipos de doenças congênitas da córnea;
  • Complicações após cirurgias intraoculares prévias;
  • Trauma oculares.
  •  

    Pterígio

    O Pterígio é o crescimento progressivo de tecido fibroso na conjuntiva (geralmente nasal) em direção a córnea. Quando o pterígio invade a córnea e a deforma, pode gerar grau de astigmatismo e por vezes redução da acuidade visual, sendo indicada a retirada cirúrgica.

    O procedimento é realizado sob anestesia local e sedação e dura cerca de 30 minutos.

    A recuperação é gradual, e o paciente pode apresentar sintomas de sensação de areia, vermelhidão conjuntival, inchaço palpebral e embaçamento visual no pós-operatório. Atualmente, o uso da cola biológica como opção para substituir os pontos antes usados neste procedimento, pode reduzir muito os sintomas de desconforto do pós-operatório.

    Caso tenha diagnóstico ou suspeita de pterígio, agende uma consulta com o médico oftalmologista para avaliação especializada.

     

    Tumores Oculares

     

    Tumores são lesões expansivas e geralmente nodulares, que podem acometer o globo ocular e pálpebras. Alguns são de natureza benigna e outros, maligna, os quais necessitam de biópsia e tratamento.

    Em bebês recém-nascidos é obrigatório o Teste do Reflexo Vermelho, que pode diagnosticar um tipo de tumor maligno e congênito chamado retinoblastoma.

    Em adultos os tumores de aparecimento mais frequentes são os carcinomas, melanomas e linfomas, que necessitam de tratamento.

    Os sintomas dependem da localização, podendo ser lesões na área externa do globo ocular e pálpebras ou embaçamento visual ou alterações do campo visual, dependendo do tipo do tumor e da localização dentro do globo ocular.

    O globo ocular não é removido da cavidade durante nenhum tipo de cirurgia ocular. A cirurgia de estrabismo consiste em fazer uma pequena incisão na conjuntiva (tecido que cobre a esclera, parte branca do globo), permitindo ao cirurgião acessar os músculos oculares subjacentes. Pode ser necessário realizar a cirurgia em um ou em ambos os olhos.

    Em crianças a cirurgia é realizada sob anestesia geral. A anestesia local é uma opção para adultos. O tempo de recuperação é rápido. Geralmente as pessoas são capazes de retomar suas atividades normais dentro de alguns dias. Depois da cirurgia, exercícios, óculos ou prismas podem ser úteis. Hipercorreção ou hipocorreção podem ocorrer e em alguns casos pode ser necessário outro procedimento.

    A cirurgia precoce é recomendada para corrigir o estrabismo, pois crianças mais novas podem desenvolver visão binocular com recuperação da visão de profundidade e melhora no campo visual. Quanto mais tempo com o desvio, as chances de recuperar a visão binocular diminuem.

    Como em qualquer procedimento, a cirurgia de estrabismo pode ter riscos, como infecção, cicatrização excessiva e outras complicações, todas muito raras. A cirurgia geralmente é um tratamento seguro e eficiente para o mau alinhamento ocular. Entretanto, não é substituto dos óculos ou do uso do tampão.

    A cirurgia para glaucoma convencional, chamada de trabeculectomia que na maioria dos casos é feita sob anestesia local, cria uma pequena fístula de drenagem do humor aquoso na esclera (parte branca do olho). Não obstante, a taxa de sucesso da trabeculectomia ser alta, por vezes, um único procedimento não é capaz de evitar a progressão da doença. Assim, outra cirurgia e/ou tratamento médico adicional pode ser necessário.

    A Plástica Ocular é uma subespecialidade responsável pelo tratamento da região periocular, principalmente das pálpebras.

    As pálpebras possuem estruturas delicadas, uma anatomia detalhada e durante nossas vidas podem ser acometidas por diversas patologias, além do processo natural de envelhecimento.

    Na área reparadora corrigimos as lesões benignas e malignas dessa região, cistos palpebrais (ex: calázio), mal posicionamento palpebral como Entrópio (pálpebra girada para dentro), Ectrópio (pálpebra girada para fora), Ptose Palpebral (pálpebras caídas), bem como Triquíase (cílios que crescem voltados para o olho) e tratamento de blefaroespasmo com toxina botulínica.

    Na área estética, há a cirurgia de rejuvenescimento palpebral (Blefaroplastia), a retirada de bolsas transconjuntival (sem cicatrizes na pele) e a toxina botulínica para prevenção e tratamento de rugas faciais.

    Primeiramente a atenção é voltada para a melhora funcional da região, porém também valorizando o resultado estético e natural.

    O Pterígio é o crescimento progressivo de tecido fibroso na conjuntiva (geralmente nasal) em direção a córnea. Quando o pterígio invade a córnea e a deforma, pode gerar grau de astigmatismo e por vezes redução da acuidade visual, sendo indicada a retirada cirúrgica.
    O procedimento é realizado sob anestesia local e sedação e dura cerca de 30 minutos.
    A recuperação é gradual, e o paciente pode apresentar sintomas de sensação de areia, vermelhidão conjuntival, inchaço palpebral e embaçamento visual no pós-operatório. Atualmente, o uso da cola biológica como opção para substituir os pontos antes usados neste procedimento, pode reduzir muito os sintomas de desconforto do pós-operatório.
    Caso tenha diagnóstico ou suspeita de pterígio, agende uma consulta com o médico oftalmologista para avaliação especializada.

    • Fotocoagulação a Laser: áreas da retina com alterações são cauterizadas para prevenir futuros sangramentos, principalmente em pacientes com Retinopatia Diabética. Quando iniciada precocemente pode prevenir a perda da visão em grande parte dos casos.

    • Injeções intravítreas de anti-angiogênicos: Anti-angiogênicos como Ranibizumabe (Lucentis) ou Aflibercepte (Eylia) são aplicados nos casos de edema na retina, diagnosticado e medido pelo exame de OCT (Tomografia de Coerência Óptica). Também realizamos injeções intravítreas de corticosteróides como Triancinolona ou Implante de Ozurdex.

    • Cirurgia de vitrectomia: nos casos mais avançados de doenças com sangramento no vítreo ou descolamento da retina.

     

    O Transplante de Córnea é uma cirurgia que consiste em substituir a córnea de um paciente por uma córnea saudável, a fim de melhorar a visão (finalidade óptica) ou corrigir perfurações oculares (transplante tectônico). Os transplantes com finalidade óptica podem ser da córnea toda, ou seja, todas as suas camadas (transplante penetrante) ou apenas uma das camadas (lamelar), dependendo da patologia do paciente.
    O transplante de córnea é realizado com anestesia local, sob sedação, sem necessidade de internação hospitalar. A córnea doente é cuidadosamente retirada através de uma incisão circular e em seguida, a córnea saudável é posicionada e fixada através de suturas.
    A indicação geralmente é a última alternativa terapêutica, e pode envolver patologias como:

    Ceratocone avançado;
    Alguns tipos de doenças congênitas da córnea;
    Complicações após cirurgias intraoculares prévias;
    Trauma oculares.

    Tumores são lesões expansivas e geralmente nodulares, que podem acometer o globo ocular e pálpebras. Alguns são de natureza benigna e outros, maligna, os quais necessitam de biópsia e tratamento.
    Em bebês recém-nascidos é obrigatório o Teste do Reflexo Vermelho, que pode diagnosticar um tipo de tumor maligno e congênito chamado retinoblastoma.
    Em adultos os tumores de aparecimento mais frequentes são os carcinomas, melanomas e linfomas, que necessitam de tratamento.
    Os sintomas dependem da localização, podendo ser lesões na área externa do globo ocular e pálpebras ou embaçamento visual ou alterações do campo visual, dependendo do tipo do tumor e da localização dentro do globo ocular

    O centro Médico Cirúrgico Paulistano (CMCP) foi projetado exclusivamente para cirurgias oftalmológicas. Conta com três salas cirúrgicas, sala de esterilização de materiais, seis quartos para o pré e pós-operatório e sala de espera para o melhor conforto e segurança para os pacientes e cirurgiões.

    Conta com equipamentos modernos para cirurgias de catarata, retina, refrativa e acesso aos portadores de deficiência física. Todos os profissionais especializados para cuidar dos seus olhos da melhor maneira possível.

    Central de atendimento